Autor Tópico: Mais um triste golpe contra o Software Livre  (Lida 2652 vezes)

Offline juliocesar

  • Usuário Ubuntu
  • *
  • Mensagens: 3
  • www.tecnocracia.eti.br
    • Ver perfil
    • http://tecnocracia.eti.br
Mais um triste golpe contra o Software Livre
« Online: 24 de Julho de 2006, 22:30 »
 Mais um triste golpe contra o Software Livre
Sou um daqueles caras que sempre compram revista que falem do Linux. Como aluno do Curso Gestão em Software Livre da UNI-BH tenho procurado conhecer mais sobre o universo do Software Livre em todos os meios de comunicação. Recentemente adquiri em bancas a revista Pequenas Empresas, Grandes Negócios cuja chamada da capa é “Linux, se é de graça, por que até hoje não emplacou?” Link da Revista

O Editor já dá uma pista do que a repórter procurou escrever aos leitores “(...) Viviane conseguiu ir além da paixão e explicar, de forma simples e clara, por que o Linux apesar de ser um programa gratuito, não conquista a maioria dos usuários de computador”.

Porem o que temos é uma matéria tendenciosa onde sabemos que a repórter não pesquisou além do que esta citado nas pesquisas da Microsoft ou colocado nos jornais de tecnologia de 10 anos atrás. Mais um triste golpe contra o Software Livre e as iniciativas de quem trabalha serio com ele.

Tentei resumir a abaixo o que eu vejo de mais “grave” na matéria:

Pouco conhecimento dos reais aplicativos e distribuições atuais. Novamente a reporter não possui conhecimento do cenário que envolve o Linux no plano corporativo, de certa forma a reportagem tem um foco nos chamados “xiitas do Linux” causando uma impressão negativa por taxa-los como um bando de cães irracionais e ferozes defendendo o seu Osso Linux.

O linux é visto como há 10 anos atrás, a autora da matéria parece desconhecer versões simples e de fácil uso como o Kurumin, Famelix ou com grande suporte como o Suse da Novel ou o Ubuntu da Canonical. Nem mesmo os avanços gráficos são apresentados. Ficamos com aquele idéia de “complicado e somente para nerd”.

Falta de padrão para analise comparativa. Por exemplo, o Linux requer treinamento e um especialista para configuração com custo elevado, mas estes custos são diluídos com o suporte reduzido a longo prazo. Muitos técnicos estão alarmados com a situação de que sem o Windows eles não vão poder ganhar dinheiro com o suporte a formatações constantes contra vírus e outros males.

A matéria tenta ser realista e imparcial, mas grande parte dos números de comparação citados são de pesquisas realizadas pela Microsoft. Se grandes empresas conseguiram se dar bem com o Linux (Casas Bahia, Telemar, etc..) porque se basear fortemente naqueles pequenas e medias que não conseguiram? Toda empresa deseja crescer e realizar investimentos corretos a curto e longo prazo o que pode ser aos poucos a adoção do Software Livre e não o seu corte irracional por seguir um exemplo que não reflete sua realidade. O linux de hoje em dia é tão versátil quando fácil de ser compreendido quando bem explicado.

A reporte insiste no seu Linux complicado, caro para implementação e totalmente obscurecido por ser usado apenas por 1% dos computadores mundo. Outros fatores são aplicados como novamente o fato do governo esta alcançando prejuízos com a adoção do Software Livre, seguido os passos da Revista Veja, acusa a ala mais socialista de buscar inspirações utópicas com a liberdade do Software Livre. Novamente falta de informação, desserviço a comunidade como um todo, ao universo de quem trabalha serio com o Linux e não se trata de um nerd infantil taxado de cracker.

Mas um fato deve ser reconhecido. O tiroteio para todos os lados já começou e com certeza a pressão do Linux já produz frutos onde por trás de uma suposta visão menos apaixonante e mais realista se esconde uma falta de profissionalismo e muito paranóia.

Trabalho em uma escola de Informática onde um dos laboratórios foi transformado em Lan House, no inicio com o Windows ficamos vulneráveis a vírus, o numero de incidentes era grande, além do linux que ficava sendo jogado na rede. Instalei a distro Famelix e precisei apenas re-ensinar como abrir o disquete, numa janela, e arrastar um documento para o seu interior, procedimento que foi rapidamente compreendido e que deveria ser do conhecimento de quem já usa um computador.

O uso da Lanhouse aumentou o seu faturamento com o tempo e a mesma é recomendada a outros usuários. Tivemos 5% de problemas com sites a serem acessados o que mostra que o avanço é grande. Quanta a dificuldade em instalar e usar as imagens abaixo demonstram que o Famelix não provoca medo no usuário: http://computer-liebe.blogspot.com/
Júlio César
Gestão e Governança de TI
www.tecnocracia.eti.br

Piras

  • Visitante
Re: Mais um triste golpe contra o Software Livre
« Resposta #1 Online: 25 de Julho de 2006, 04:19 »
A imprensa brasileira é altamente concentrada e venal, pois a concorrência se resume a meia dúzia de grandes grupos com fortes vínculos com o mundo corporativo e quase o mesmo compromisso ideológico, francamente conservador.

Além disso, o jornalista, proletarizado, duramente explorado e quase sempre mal formado, mal consegue assegurar a sua própria sobrevivência; imagine, então sustentar a ética profissional!

Se a comunidade não aprender a atuar de forma mais racional, organizada e coesa o Linux sofrerá duros golpes neste país nos próximos anos. É preciso aprender a fazer lobby, senhores, pois sem lobby hoje em dia não se sobrevive no democracia. E fazer lobby não significa molhar a mão de nínguém, como pensam alguns; fazer lobby é defender os interesses de determinado grupo de forma profissional e permanente. Só isso.

Offline juliocbm

  • Usuário Ubuntu
  • *
  • Mensagens: 27
  • "Lutar sempre, vencer talvez, desistir jamais!"
    • Ver perfil
    • Porfólio JulioCBM
Re: Mais um triste golpe contra o Software Livre
« Resposta #2 Online: 25 de Julho de 2006, 20:03 »
Lamentável, é impressionante a falta de conhecimento mínimo desses repórteres, ou ao menos, a falta de conhecimento sobre atualidades.

Citar
Nem mesmo os avanços gráficos são apresentados. Ficamos com aquele idéia de “complicado e somente para nerd”.

Meu Deus, que absurdo dos mais graves!!! Como assim? Acho que quem é visto como a 10 anos atrás é o próprio repórter, que parou no tempo. Ou, em outra hipótese, foi bem pago pela MS.

Como uma matéria assim sai numa revista da Globo, que é toda "moderninha"? Falo nada...