Autor Tópico: Ubuntu 22.04 LTS, não dá mais para recomendar essa distro Linux!  (Lida 616 vezes)

Offline vander200

  • Usuário Ubuntu
  • *
  • Mensagens: 13
    • Ver perfil
Mais uma versão do Ubuntu está chegando, o Ubuntu 22.04 LTS, mas nesse vídeo além de mostrar como está essa distro, comento sobre os pontos de falha do Ubuntu que estão fazendo muitas pessoas migrarem para outras distros Linux!
https://youtu.be/8mPXad9GUtE

Offline creto

  • Usuário BigLinux
  • Usuário Ubuntu
  • *
  • Mensagens: 745
  • Vivemos esperando dias melhores
    • Ver perfil
    • Blog do Creto
Re:Ubuntu 22.04 LTS, não dá mais para recomendar essa distro Linux!
« Resposta #1 Online: 26 de MAR?O de 2022, 21:15 »
Eu não posso concordar, muito menos discordar do que o locutor fala no vídeo, porém o ubuntu ainda é e sempre será o:

- Ubuntu para humanos

Qualquer distribuição tem os prós e contras, mas continua a ser pregada liberdade máxima, que é a de escolha, "Experimentar o ubuntu, isso não afetará nada do seu PC.... blá, blá". Eu na verdade a muito tempo não uso o ubuntu (última versão dele 10.04), mas há aquela boa experiência "novos usuários e um ubuntu", na verdade sob meu cuidados o Kubuntu, ai vem o que o locutor disse no vídeo:

- Snap > (Se vem habilitado, eu removo uai)
- Flatpak > (Se vier habilitado eu removo também)
- PPA (curuzes, nem pensar)

Analisando bem o caso, o ubuntu pode ter sim algumas falhas, mas é justamente por ser ainda o "ubuntu for humans", parafraseando o "Tota" Dino ubuntu:

- "No Linux ninguém precisa conviver com incompatibilidades"

T+
A vida, é feito andar de bicicleta, se parar, você cai! (Gabriel Contino)
Blog do Paulo Corrêa Creto

Offline nomade

  • O negócio não tem alma
  • Equipe Ubuntu
  • Usuário Ubuntu
  • *****
  • Mensagens: 1.186
  • O negócio não tem alma
    • Ver perfil
Re:Ubuntu 22.04 LTS, não dá mais para recomendar essa distro Linux!
« Resposta #2 Online: 30 de MAR?O de 2022, 10:35 »
Então...
Bom dia a todos

Eu hoje uso Debian 11 com KDE no meu notebook no trabalho e KDE Neon no meu PC (até 1 mês atrás usava Ubuntu Studio e já vinha usando ele a 6 anos, desde quando estava vindo com ambiente XFCE por padrão). Migrei pro KDE em definitivo junto com o Ubuntu Studio. Agora tô usando o Neon por causa do KDE mais atualizado por padrão.

Eu discordo de algumas questões do vídeo. Parei uns 3 minutos pra pensar onde seria o começo da minha crítica sem que fosse ofensivo, ou desanimasse o camarada criador de conteúdo. Porém, já que está no ar pra ser visto, também o está para ser criticado, correto? Se compartilhou, quer visualização e opinião. Penso que aqui a crítica será mais discreta do que no youtube diretamente.
Vamos lá.

A primeira e a maior questão do vídeo, ou a mais longa foi sobre desenvolvimento Unity ter sido descontinuado.

A Canonical não pensou que o Unity era um ambiente apenas para dispositivos móveis. Ela criou o Unity com a intenção de permear e crescer no campo dos dispositivos móveis, entregando ao usuário uma DE única.

O Unity tem esse nome justamente por isso. Ele era um Desktop Environment único pra qualquer dispositivo. E, dito isto, é importante observar que a Canonical não conseguiu fechar parcerias o suficiente (nenhuma na verdade) no mercado de hardware disposta a exclusividade, o que dificultou o alicerceamento para o Ubuntu mobile se sustentar. Simplesmente não foi a frente. Deu ruim. Era Cilada Bino. Sacou? Logo eles desistiram do projeto.
Não existe mais a divisão Mobile, a não ser pra prestar algum suporte a quem por acaso comprou um celular com Ubuntu e não trocou pelo android ainda, que é coisa que eu nem sei se existe. Visto que tem poucos APPs pra ele e não é um campo de desenvolvimento mais a um bom tempo.
Como era algo que demandava um gasto e não estava dando retorno, até porque apenas o Ubuntu usava o Unity, mesmo sendo possível instalar ele no Mint, ou outra derivada.

Eu gostava do Unity? Sim... bastante.
Só que ele era apenas um Gnome 3 modificado. Sim, ele era apenas um Gnome 3 muito modificado, um fork por assim dizer. Tanto que se você instalasse o Gnome Tweak nele, conseguia personalizar o ambiente. Ou seja... só isso mesmo. Nem precisava de verdade ter mudado de nome, mas era um apelo de marketing.

Nem de longe a Canonical deixou o desenvolvimento de ferramentas de lado. Continua lançando novidade. Se existe um erro, é que eles deixaram um pouco de lado o usuário padrão e focaram no usuário empresarial. E em tornar o mundo Linux mais acessível, mesmo a usuários Windows, fazendo essa parceria com a Microsoft que muitos torcem o nariz, mas que no final funciona bem para que o desenvolvimento de aplicativos seja multiplataforma. De forma que se um desenvolvedor que só fazia softwares pra Windows, pode no próprio Windows codar pra Linux, ele vai fazer e tentar ganhar dos dois lados, apostando na fatia estável que o Linux é.

Por exemplo no final do ano passado a Canonical lançou uma ferramenta que possibilita instalar o Ubuntu em Macs com M1.
Em 2020 Anbox Cloud, Android escalável com tecnologia Ubuntu na nuvem.
São ferramentas que demandam uma equipe, que ajudam a trazer parcerias.

Sobre a segunda questão apresentada. Ferramentas que facilitem a vida do usuário final:
Aparentemente a Canonical tem sido conservadora no sentido de investir em desenvolver ferramentas que facilitem a vida do chamado usuário final. Sim, mas é importante observar que o Ubuntu é uma das distribuições que mais tem derivadas. Há derivada do Ubuntu pra todo lado. Como derivadas entenda que são distros que usam repositórios do Ubuntu na sua sources list. A estabilidade deles é fundamental pra toda a comunidade. O Ubuntu creio que tem mais derivadas que o próprio Debian. Por mais que o Debian seja a distro mãe, o Ubuntu é a referência máxima em repositórios. Dito isto, noto que a Canonical está trabalhando mais em formar parcerias e oferecer serviços no momento. Se irá retomar em algum momento o foco no usuário final, eu não sei. Creio que não seja mais o interesse principal da empresa atrair novos usuários ao mundo Linux. Tem muita gente fazendo esse trabalho e não há sentido em competir nisso. Creio também que a grande função histórica do Ubuntu foi estimular esse caminho. Adubar e regar o jardim do frendly user no Linux, que antes do Ubuntu era um terreno árido. Hoje esse ecossistema não precisa mais do Ubuntu.

Entretanto o Ubuntu segue sendo uma plataforma estável e amigável ao usuário no geral. Você pode instalar qualquer sabor do Ubuntu e ser feliz. Só que é hoje uma distro mais focada no cliente empresarial e no desenvolvedor multiplataforma. O foco da empresa ter mudado, não creio ser motivo de decepção. Se você é um usuário Linux a algum tempo vai pegar o seu sistema, instalar o que quiser, deixar ele com a cara que quiser, com a usabilidade que quiser. Se for algum entusiasta e quer começar um distro, terá terreno fértil em usar o Ubuntu como base. De forma nenhum a DE que vem por padrão no sistema define o nível de desenvolvimento da equipe. O Fedora por padrão tem um Gnome quase puro. Ninguém reclama disso. Não faz sentido. O KDE é extremamente personalizável, cheio de features, atualmente bem mais leve que o Gnome, o que é surpreendente.  Desenvolver um DE, ou ferramentas que facilitem a vida do usuário é algo legal, mas pra Canonical hoje acho que é trivial. Pra quê você precisa desenvolver um gerenciador de drivers novo, se o que vc tem está funcionando, é integrado ao ambiente e não dá dor de cabeça, é simples de usar?
Acho que a Canonical desfocou nisso mesmo. Como mencionei antes, acho que a Canonical assumiu que no momento precisar pegar o facão e desbravar outras matas, abrir outros caminhos. Como no passado abriu o caminho Frendly User, hoje creio que esteja desbravando o caminho do tornar o Linux uma ferramenta comercial que vá bem mais além dos servidores.

Terceira questão. Sobre SNAP e Flatpack:
Concordo que SNAPs apresentam bugs algumas vezes, sendo necessário dar autorização a acesso de diretório aos aplicativos, que não é user frendly nem um pouco. Ninguém adivinha isso. Não é intuitivo a um novo usuário que o problema é simplesmente autorização.
Sobre o Flatpak. A Canonical quer incentivar o uso de Snaps, por isso não vem habilitado o suporte a flatpak por padrão. Porém, não é difícil adicionar o suporte, no próprio flathub tem um tutorial bem simples ensinando a fazer. Definitivamente creio que o snap é mais uma das coisas que a Canonical tentou, é bem legal, tinha tudo pra dar certo, mas está perdendo pro flatpak e em algum momento vai morrer.

Era só isso mesmo... espero que minhas observações sejam úteis de alguma forma. Haverá quem discorde, é normal.
Bacana a iniciativa de criar um canal sobre Linux. Sabemos que é um público bem exigente. Eu sou inclusive rsrsrs tô seguindo lá...

Abraços
« Última modificação: 30 de MAR?O de 2022, 10:48 por nomade »
Debian 11 Bullseye KDE + Kernel Liquorix